segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Aberdeen Football Club







Vou fazer minha primeira postagem sobre um tema que é uma das minhas maiores paixões: o futebol (Aê, ele vai falar do Náutico!). Na madrugada do dia 21 de junho de 2002 (tive que procurar na internet, não decorei a data), o Brasil estava prestes a enfrentar a Inglaterra pelas quartas de final da Copa do Mundo da Coréia e Japão. Tinha acabado de instalar meu computador e a internet ainda era discada, lenta pra cacete. Resolvi entrar numa chatroom da BBC onde as pessoas falavam sobre futebol. Faltava duas, três horas pra começar o jogo e tanto os ingleses quanto os brasileiros estavam excitados ante a decisão que se aproximava. Na sala de bate-papo os ingleses estavam hostis para comigo, afirmando que o Brasil ia apanhar e etc. Me xingando, inclusive. Um escocês começou a defender o Brasil e me ajudando nos xingamentos para com os ingleses e tudo mais. O nome do cara é/era Jonathan Stephen, morador da cidade de Aberdeen, norte da Escócia. Depois de uma hora de chat, troquei os emails com o tal escocês. A partir de então, ele ficou me mandando links sobre o time da sua cidade, lembro-me que o primeiro foi uma matéria da BBC Sports sobre a vitória de 2x1 frente o Hibernian de Edinburgh. Na época, meu email era da AOL (hoje em dia nem me lembro mais o endereço) e depois abandonei o email e perdi o contato com o Jonathan Stephen. Mas, continuei a acompanhar os jogos da equipe vermelho e branco do norte da Escócia.






O Aberdeen FC, ou The Dons, é um clube muito tradicional da Escócia. Calma, aos poucos vou passando as informações sobre o clube e, como sempre digo, informações sobre o clube são facilmente encontradas pela internet. Quem acompanha um mínimo de futebol internacional sabe que há mais de 20 anos o campeonato escocês vive uma dicotomia extremamente monótona: os títulos se dividem entre o Celtic e o Rangers, os dois rivais de Glasgow. Os outros times brigam para ficar em terceiro lugar e conquistar uma vaga para a Copa UEFA. Entre os times tradicionais do campeonato escocês podemos destacar os dois grandes de Edinburgh: Heart of Midlothian e Hibernian, além do Dundee United e o Dundee FC (atualmente na segunda divisão).






Todos esses clubes que citei agora há pouco são importantes e já fizeram boas campanhas pelos campeonatos europeus, mas nenhum deles (exceto o Celtic em 67) conseguiu atingir a glória que o Aberdeen alcançou no fim dos anos 70 e início dos anos 80. Sob o comando do lendário treinador Sir Alex Ferguson, que está no Manchester United há mais de vinte anos, que ficou no Aberdeen por oito anos como técnico, o clube alcançou a hegemonia do futebol escocês e se fortaleceu o suficiente para disputar um torneio europeu com os milionários times da Espanha, Itália, Alemanha, França e Inglaterra. No ano de 1983, o trabalho do Aberdeen foi coroado, com um elenco de jogadores que na maioria eram escoceses e surgidos nas divisões de base do clube, os Dons foram disputar a European Cup Winners sem merecer nenhum destaque da mídia, apesar das goleadas sobre o Sion da Suiça. Os comandados de Alex Ferguson foram eliminando seus adversários de pouca expressão até chegarem no todo poderoso Bayern München, nas quartas de final da competição. Primeiro jogo em Munique, 0x0. Ferguson montou uma poderosa retranca para levar a decisão para o alçapão do norte, o Pittodrie Stadium. Em casa, o Aberdeen venceu o Bayern por 3x2, enlouquecendo a torcida e empolgando os atletas, que pegariam nas semifinais o Waterschei Genk da Bélgica, tão zebra quanto o Aberdeen. Os Dons comandados por um dos maiores goleiros da história do futebol escocês, Jim Leighton, além dos imortais McMaster, Cooper, McLeish, McGhee, Strachan e Hewitt, entre outros, não tomaram conhecimento dos belgas e golearam no Pittodrie por 5x1, indo pro jogo da volta folgados e perderam por 1x0. Chegara o momento da grande final, o jogo seria realizado em campo neutro, na cidade de Gotemburgo, Suécia, contra nada mais, nada menos que o poderosíssimo Real Madrid, o maior papa-títulos do futebol europeu.






Mais uma vez, o então jovem treinador Alex Ferguson arma um esquema de retranca, partindo nos contra-ataques e que foi coroado com um gol logo no começo do jogo, aos 7 minutos, 1x0. O Real empatou aos 15. O jogo segue com a pressão madrilenha e com Leighton fechando o gol. O segundo tempo continua com a incrível pressão espanhola, cansando seus principais jogadores até que o juiz apite o fim dos 90 minutos. Prorrogação. Primeiro tempo permanece no 1x1. No segundo tempo da prorrogação, a arma secreta de Ferguson, John Hewitt que ficara no banco até a metade do segundo tempo para pegar a zaga cansada, aparece de surpresa no meio da área, após um rápido contra ataque e fuzila de cabeça na saída do goleiro Agustín, do Real Madrid. Aberdeen campeão europeu de 1983. Até então, apenas o Celtic em 1967 tinha sido campeão da Champions League, mas agora a hegemonia dos Bhoys estava equiparada pela força dos jogadores da fria cidade de granito.






Vou aproveitar o sucesso do meu blog para pedir ao governo britânico que libere as transmissões de rádio, não apenas para usos futebolísticos, para os países que estão fora daquela ilha. Era muito bom acompanhar os jogos do Aberdeen pela Northsound, mas desde 2006 não é mais possível. Ainda bem que surgiu um novo site (justin.tv) que é possível assistir os jogos ao vivo. É isso, posso dizer que o Aberdeen é meu segundo time e tenho o sonho de algum dia assistir um jogo no histórico Pittodrie Stadium. Graças a meu amigo Tiago Perez, quando da sua estadia na Holanda, hoje eu tenho uma camisa dos Dons. Atualmente, o Aberdeen é um clube da faixa intermediária, que mantém a tradição de ter jogadores locais, diferentemente das estrelas do Celtic e Rangers, mas que possui valorosos jogadores como o atacante Lee Miller e o médio defensivo, Scott Severin. Os tempos são de vacas magras, mas a memória da Glória de Gotemburgo jamais será esquecida.






p.s: vou deixar o link dos gols da campanha de 1983. Vale a pena conferir!









Come on Yep Reds!

3 comentários:

Hugo M disse...

Dodô, só pra não perder a piada, já notou como os times que os auvirubros torcem só vivem de glorias do passado. É o hexa do náutico, e agora um time que teve uma gloria em 1983. boa matéria.

taep1801 disse...

Vou ver se consigo colocar tu numa reportagem da Trivela, sobre a tua paixão pelo Aberdeen.

Dodô disse...

que danado é Trivela?!