segunda-feira, 3 de maio de 2010

A Final do Pernambucano 2010


Ontem foi o primeiro jogo da final do Campeonato Pernambucano 2010, e o Náutico pulou na frente com uma vitória de 3x2. Porém, entre os torcedores, uma amarga sensação de que poderia ter decidido a guerra logo ontem, pois o Timbu abriu vantagem de 3x0. Bem, não sou jornalista, nem almejo ser imparcial. Sou torcedor do alvirubro de Rosa e Silva. Nesta quarta, acontecerá o jogo decisivo no Estádio da Ilha do Retiro, com o Náutico jogando pelo empate. Portanto, dentro da minha esfera de comunicação, vou fazer uma análise da situação em que os dois grandes times da capital se encontram.

Em primeiro lugar, deve ficar claro que o Campeonato Pernambucano é de um nível técnico muito deficiente. Está claro que os jogadores estão sendo briosos e destemidos. Mas, não creio que nossos times, com os elencos que possuem, façam algo de relevante no Brasileiro Série B. O Santa Cruz parece ter sido o grande vencedor do campeonato, pois conseguiu reunir bons jogadores que aliados ao que deverão chegar, podem ajudar o Santa no seu renascimento para o futebol nacional. Mas, Náutico e Sport são carentes de atletas para suprir os poucos bons jogadores que possuem em seus elencos. Por exemplo, o Sport perdeu Dutra pra final e não tem um reserva à altura. O Náutico terá que improvisar dois jogadores nas duas laterais. Esses, são exemplos que estão à vista de qualquer um, das deficiências dos nossos times. Entretanto, apesar da capenguice, vale ressaltar o fulgor das torcidas. Não se fala em outra coisa na cidade! O amor do torcedor é impossível de ser descrito à luz da sabedoria e razão. O Santa Cruz, o mais enfraquecido dos clubes da capital, mais vulnerável, oscilante, colocou por várias vezes, público superior a 40 mil pessoas.

A decisão se aproxima. Será o Sport pentacampeão ou o Náutico romperá um jejum de títulos contra o seu maior rival? Espero que a segunda opção se sobressaia. No último domingo, o Náutico com um esquema tático extremamente ousado (4-2-4), com quatro atacantes dominou por completo o Sport e, por infelicidade, não saiu com uma goleada que seria, de fato, justa. O Sport, para apimentar o último jogo, arrancou dois gols que, apesar dos méritos dos chutadores, contaram com a imensa sorte da bola ter desviado no meio do caminho e ter traído a defesa timbu. A questão para a decisão de amanhã é que o Náutico precisa esquecer que tem a vantagem do empate. Se jogar na defesa, com o bumbum na parede, como se diz na gíria do futebol, vai perder, nem que seja de um a zero, num escanteio qualquer. Torço para que o treinador Alexandre Gallo, entre com o time ofensivo, com três atacantes, prá cima do Sport! Apesar das deficiências dos dois times, esse título terá um sabor muito especial para a comunidade alvirubra. Há 16 anos não havia uma final entre os dois clubes e há 42 anos não vencemos o Sport nas finais. Eu, que me considero cético na maioria das coisas, reservo para o futebol minha maior dosagem de superstição. Acredito nas figas, nas amarrações, nos pagamentos de promessas e coisas do tipo. Ciro, o homem-sereia, estará amarrado amanhã, não vai fazer gol. Acredito que esse jejum de títulos é pra compensar o hexacampeonato em que ganhamos as seis finais em cima do Sport. Assim, como acredito que a Batalha dos Aflitos (Náutico 0x1 Grêmio) seja o pagamento da dívida que o Náutico tem com os deuses do futebol por ter sido o último clube do Brasil a aceitar negros no quadro social. Dívidas pagas, é hora de plantar novas sementes do presente. Muito se diz que o Náutico é time de elite, que o Santa Cruz é time de quem mora no morro, e por aí vai. Mas, a verdade é que os três times contemplam todas as classes sociais e mobilizam toda a cidade em dias de decisão.

Será uma batalha duríssima. O time do Sport é um pouco melhor que o do Náutico no papel, mas é um time que tem poucas variações de jogo, atua sempre no mesmo esquema tático, é previsível. Amanhã, as excelentes atuações de Hamilton e Ramires serão fundamentais para anular o meio de campo do Sport que estará inflamado pela sua torcida que promete levar centenas de sinalizadores para colocar a Ilha do Retiro em chamas. Será um grandioso espetáculo. Gostaria de não me sentir envolvido pelo resultado da peleia, pois será um belo panorama pra se contemplar.

Esse blogueiro que vos escreve, encontra-se nesse exato momento doente: febre, dores nos ossos, garganta inflamada. Após chegar em casa do clássico no último domingo, tive febre de 40,5 graus. Minha família estava viajando no sertão. Não tinha remédio em casa e eu não tinha condições nem de levantar da cama. Tive alucinações, vultos acinzentados corriam na escuridão. Quando conseguia dormir, tinha sonhos perturbadores como quem está no fundo de uma piscina sem conseguir mexer o corpo e clama pela ajuda de alguém. Mas, pra minha imensa sorte, meus pais voltaram na segunda de manhã e estou sendo medicado, tratado e mimado (nessas ocasiões quem não gosta?!). Estou aqui, pianinho, tomando chá, remédio, fazendo gargarejo de hora em hora. Só levanto da cama pra vir no computador. Tinha planejado começar a escrever a dissertação hoje, mas vou adiar por alguns poucos dias, espero. Um amigo acabou de ligar, está na bilheteria dos Aflitos, onde vendem ingresso pra torcida do Náutico que vai pra Ilha do Retiro: "E aí, quer que eu compre teu ingresso?" Por via das dúvidas, não quero perder esse momento histórico. Que vença o... Náutico!

8 comentários:

Mariana Azevedo disse...

Dodoiévski, você só esqueceu de dizer que ao lado das figas e mandingas, vc acredita na força do COCOLOCO!!!
Amanhã não estarei em campo, mas será como se estivesse, pode ter certeza! Com a força do COCOLOCO, que vença o Náutico!

Anônimo disse...

Dodoooooooooooo!!!
Daleeeeeeeeeeee...sport!!
Bjos
Ianne

JOSÉ RAFAEL MONTEIRO PESSOA disse...

Dodo, fique bem. Mas lamento informar que o jogo será 2X0. Sport penta.
Abraços.

Dodô disse...

Morreu Nino, um dos artilheiros dos tempos do hexa que eternizaram o ataque das quatro letrinhas: Nino, Bita, Lala e Nado. Esse título será uma maneira de homenageá-lo!

Luciana Amâncio disse...

Dodô... uma das experiências mais dramáticas de minha existência futebolística, final contra o time de meu pai...! É terrível. Ninguém torce. Eu e ele, mudos na sala... sem comemorar gols... no máximo, cada um xinga o jogo do própio time... Acho que vou propor a meu pai que nós dois "viremos" tricolores!!! kkkkkkkkk

Dodô disse...

Tia Lu, tua alma é alvirubra, criatura. Tu bens sabes disso! O clube mais teatral do mundo: capaz de deixar os corações em suspenso para pronunciar ao final de gigantesco enlace, a vitória heróica ou a trágica humilhação. Salve o Náutico! Clube pra quem tem um coração forte!

Dodô disse...

Bola pra frente, Náutico. É preciso fazer mudanças no elenco, reforçar. Deixar o treinador Gallo, manter Hamilton e trazer um grande centerforward pra receber as bolas de Carlinhos Bala. Perdemos o título, mas não o amor pelo nosso glorioso Náutico! Sábado estarei lá, no começo de nova jornada, sempre recomeçando como os dias: dias bons, dias ruins... mas, sempre a vida, sempre o Náutico!

Paulo Emilio disse...

PERDEUUUUUUUU