quinta-feira, 6 de maio de 2010

Bola Pra Frente


O Náutico perdeu o Campeonato Pernambucano para o Sport, num resultado conjugado de 3x3, sendo que o rubro-negro da Ilha fez mais gols fora de casa. Como dito na postagem anterior, os dois times deixaram à vista suas deficiências técnicas expostas para seus torcedores. Não vou falar dos problemas do Sport, porque sua torcida sempre acredita que eles possuem um grande time e não adianta discutir. Mas, em relação ao meu Náutico, as deficiências nas laterais desde a primeira rodada do estadual, a falta de um meia habilidoso que faça o último passe para os finalizadores, esses últimos, o terceiro problema crônico do time, constituem os maiores entraves para a disputa de um título. Sendo assim, podemos diagnosticar que três setores não estão rendendo proveitosamente: laterais, meia de ligação e centroavante. O Campeonato Brasileiro da Série B já se inicia nesse sábado, contra o fortíssimo time do Coritiba. Quais as soluções coerentes para se organizar o clube pra essa competição visceral, que garante o acesso à elite do futebol nacional e às receitas menos humilhantes para o bom funcionamento do clube?

A maior conquista da longa história do Náutico é o hexacampeonato, conquistados entre 1963 e 1968. Ontem, o Sport alcançou o pentacampeonato e, pela terceira vez (Santa Cruz em 1974 e Sport em 2001), o maior orgulho da torcida alvirubra se vê ameaçado. Diante deste imperativo, a necessidade de agir é crucial. Mas, ação quer coincidir com estruturação, organização, ao invés de desespero e exaltação. Quem foi à Ilha do Retiro assistir ao jogo final do campeonato, saiu sem ter com quê reclamar, senão da sorte, que mais uma vez abandonou o escrete alvi-rubro no momento de decisão. Os jogadores demonstraram muita raça, vontade de vencer, toda a torcida percebeu e reconheceu. Esse tipo de atitude, se não se iguala ao sentimento jubiloso da vitória, ao menos, conforta o ego da torcida. Os jogadores foram até o seu limite, e é nessa parte que entra a atuação da diretoria de futebol: o limite técnico dos jogadores. Alguns demonstraram que tem condições de envergar a tradicional camisa listrada em vermelho e branco. Outros, apesar da superação, devem ir buscar a chance em outros clubes menores, ou mudar de profissão.

O Náutico contratou dez jogadores para a disputa da Série B, mas antes precisa garantir a presença de nomes como Hamilton, Ramires, Zé Carlos e Carlinhos Bala. Muitos dos recém-contratados eu não conheço, outros tem um bom referencial, mas espero que se encaixem no estilo de jogo do treinador Alexandre Gallo, que mesmo perdendo o título, caiu nas graças da torcida pela forma ousada que comandou a equipe. Em toda a minha vida de torcedor, não me recordo de nenhum time que tenha entrado na Ilha do Retiro com quatro atacantes na linha de frente, encurralando o Sport em seu campo, deixando apreensiva sua torcida. Fico a imaginar se os quatro atacantes fossem: Carlinhos Bala, Gilmar, Felipe e Wellington,O Tanque. Eu prefiro perder jogando pra frente do que ser esmagado o jogo todo e levar um melancólico gol de escanteio e não ter forças pra reagir. Espero que os dez reforços : o goleiro Rodrigo Carvalho vindo do Vitória/PE; os laterais Anderson Paim vindo do Mirassol/SP e César Prates vindo do Joinville/SC; os zagueiro Saulo vindo do Araripina/PE e Walter vindo do Botafogo/SP; o volante Elton vindo do Bahia; os meias João Henrique vindo do Botafogo/SP e Thiago Marin vindo do Uberaba/MG; além dos atacantes Erivelto vindo do Canendense/GO e Evando vindo da Ponte Preta/SP, possam ajudar o Náutico a voltar para a Série A, se fortalecer mais, fazer bons contratos com os jogadores fundamentais do elenco e trazer estrelas do futebol nacional para fazer parte do elenco em 2011. Essa é a maneira mais coerente de defender o hexacameponato, no ano que vem.

Chegamos a segunda questão desse problema estrutural e motivacional do Náutico: é preciso pensar num futuro mais promissor do que a simples defesa do Hexa. O nosso maior rival nos mostrou que é possível para um clube do Nordeste, disputar a Libertadores e ganhar títulos nacionais como a Copa do Brasil. Por que não pensar num projeto para 2011 desde já? A torcida não sente credibilidade nas diretorias que comandaram o Náutico nos últimos tempos. Uma recente auditoria privada mostrou que a última administração gastou cinquenta mil reais, em dois anos, com garrafas de whiskey. Quem de sã consciência vai tirar 70 reais (valor pra se associar) todo mês pra encher a cara de pessoas arrogantes e incompetentes?! O atual gestor parece ser uma pessoa com mais postura, apesar dos problemas recentes com a imprensa (que de santa não tem nada!). O torcedor paga os 70 reais se sentir retorno e compromisso de quem comanda.

É preciso desejar boa sorte nessa nova jornada que se inicia, deixando claro que é preciso mostrar aos jogadores que eles tem uma missão à curto prazo. E os diretores tem uma missão à médio e longo prazo: a de transformar esse clube que possui uma torcida tão fiel e resistente aos insabores das últimas décadas num grande clube do Nordeste, conquistando manchetes mais respeitosas no cenário nacional. Náutico Acima de Tudo!

2 comentários:

Dodô disse...

Não gosto de postar sobre o mesmo assunto de forma repetida. Mas, quem saiu de sua casa doente, levou chuva por duas horas, não consegue se calar quando enxerga na sua cara as deficiências na instituição que ele aprendeu a gostar e frequentar desde os 13 anos de idade.

Luciana Amâncio disse...

Bravo, Dodô!!! Bravíssimo!
Apesar das deficiências de seu time, faz tempo que eu não via o Náutico jogar com tanta garra! Disse isso a meu pai... mas ele queria mesmo era o título!
Só não concordo que os rubro-negros vêem em seu time um grande time... eu tinha - e tenho! - plena convicção das deficiências do Sport nesta campanha... apesar da mídia frisar "melhor ataque", "melhor defesa" e "artilharia" do campeonato... quanto à defesa e ao ataque, talvez, fosse justo dizer "menos pior" ou "mais regular"...
O Náutico teve grandes atuações neste PE 2010... espero que na série B, nós possamos ir bem! E o Santinha também...! Para o bem do futebol pernambucano...

Xeros!