quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Futebol do Nordeste

Ontem à noite desloquei-me da minha humilde residência para um barzinho perto de casa na intenção de acompanhar o jogo decisivo entre Botafogo FR e C Náutico Capibaribe pelo Campeonato Brasileiro de Futebol Profissional. Voltei pra casa irado, colérico e furioso com o árbitro gaúcho Leonardo Gaciba. O cidadão em questão garfou o clube pernambucano desde o começo do jogo: deixou de expulsar o goleiro do Botafogo, anulou um gol legal, marcou um penalty para o Botafogo, sem contar as faltas inexpressivas. Bem, não recorri ao blog pra chorar as dores de uma derrota futebolística, mas para levantar uma questão que, ao meu ver, diz respeito a todos os times de futebol da região nordeste: a decadência deste esporte na nossa região.

Náutico e Sport estão lutando de forma desesperadora para permanecerem na série A, contando com arbitragens bizonhas, tendenciosas mesmo, com quotas financeiras bastante humildes em relação aos times do eixo sul-sudeste, desprezo das mídias nacionais, entre outros fatores que dificultam nossa participação. Ou seja, dos únicos três times do nordeste que participam da série A, dois correm riscos seríssimos de serem rebaixados. Pela série B, o caso é ainda mais grave! Os quatro times que se encontram na zona de rebaixamento são da região nordeste, de maneira que, de todo jeito, pelo menos três times da região serão relegados à série C, entre os que disputam ferrenhamente contra a despromoção estão grandes equipes como Bahia e Fortaleza. Na série C, comendo o pão que o diabo amassou, está o Paysandu, outrora grande respresentante da região norte no futebol brasileiro. O que dizer do seu maior rival, o Clube do Remo? Este último, nem para a série D se classificou! Mas, o caso que mais chama a atenção é o do Santa Cruz FC. O tricolor do Arruda possui a maior média de público de todos os times do Brasil e não conseguiu passar da primeira fase da Série D. Desde o mês de agosto, o "santinha" não realiza uma partida oficial, limitando-se a jogar contra a Usina Catende e outros times do mesmo porte, com todo o respeito à cidade de Catende. O futebol da nossa região está, indiscutivelmente, em crise. Vocês concordam comigo ou estou falando uma inverdade?

Não passamos de mero coadjuvantes do futebol paulista, carioca, mineiro e gaúcho. Fazemos das tripas o coração para estarmos alí, participando daquela festa em que não somos bem-vindos. Somos penetras de uma solenidade que não foi feita para nós: matutos, ignorantes, irascíveis, bruta-montes, analfabetos do nordeste. Sempre que a imprensa do sudeste se remete aos nossos estádios e torcedores, falam como se fossemos uma horda magyar capaz de macularmos a grandiosidade do espetáculo feito apenas para eles. Ano passado, quando o Sport venceu a Copa do Brasil, a torcida rubro-negra da Praça da Bandeira sofreu diversos tipos de preconceito por parte da imprensa que se questionava se era seguro jogar naquele estádio onde a torcida gritava loucamente intimidando os jogadores sulistas. Será que os cangaceiros do nordeste vão invadir o campo e matarem nossos atletas?

Para mim, existe uma saída viável, cristalina e lucrativa para buscarmos nossa independência e identidade futebolística: é o Campeonato do Nordeste. A última edição deste Campeonato ocorreu em 2002 e foi um imenso sucesso, com grandes bilheterias, patrocinadores, motivação da imprensa local e grande rivalidade entre os clubes da região. O que falta, ao meu ver, para o Campeonato do Nordeste se constituir numa grande vantagem para os clubes locais é um passaporte para uma grande competição. É hora dos governadores do nordeste se unirem e requererem uma vaga para o campeão do Campeonato do Nordeste na Libertadores e duas vagas para o segundo e o terceiro colocado, respecivamente, na Copa Sulamericana. Com essas premiações, o Campeonato se tornaria incrivelmente viável. Pois, ao invés de um time do nordeste jogar a Libertadores de vinte em vinte anos, estaríamos lá todo ano, representados seja por Sport, Náutico, Santa Cruz, Bahia, Vitória, Ceará, ABC... grandes torcidas teriam grandes motivações para acompanharem seus times. Nossa região tem bons jogadores, bons técnicos, grandiosa platéia. O que falta para que consigamos a independência desse conluio que é Campeonato Brasileiro? Os times da nossa região enfrentariam os times do sul e sudeste pela Copa do Brasil que é, sim, uma competição democrática. Também enfrentaríamos os grandes times do sul e sudeste nas competições continentais. O Campeonato do Nordeste teria 7 meses de duração, com primeira e segunda divisão. Os campeonatos estaduais continuariam, a Copa do Brasil também. Ficaríamos livres de juízes mal-intencionados e imprensa bairrista. Essa é a solução que proponho, humildemente, através do meu blog. Até quando precisaremos do sul e sudeste para taxar o valor de nossa cultura e tradição?! Quem está comigo?

14 comentários:

Mariana Azevedo disse...

Esse jogo de ontem foi revoltante!
Ladroagem descarada!!!!!!!
Vai sobrar para a cachorra de peruca no domingo! Hauahuahauhauhauhauaha!

Anônimo disse...

caralho, onde assino mesmo?
Vou até divulgar, seu texto Dodo sintetiza bem e da voz a todo futebol nordestino.

glauber albuquerque

Anônimo disse...

Ótimo texto meu velho!
Concordo em número, gênero e grau!
Seria um sonho para nós isso, estou cansado do eixo Sul-Sudeste!
Na minha opinião seria completamente viável um "Campeonato Norte-Nordeste", englobaríamos também, times como Paysandu e Remo, que você citou no texto, e São Raimundo por exemplo!
Sonho com o dia em que nós, Nordestinos, Nortistas, cansaremos todos de ser vistos como um pesado fardo para o resto do país.O mais triste, é que essa situação não se restringe ao futebol!

Parabéns pelo texto e pela idéia!

Thiago Couto(Maceió-AL)

Airton Kelven disse...

estou contigo
isso ñ é impossivel
com força e vontade estamos lá

fabio disse...

Cocordo com quase tudo cara! só acho que deveria acabar com os estaduais e colocaria o nordestão no lugar.

dani_aloha disse...

Acho o momento bem oportuno para discutirmos sobre esse assunto...´Honestamente não gosto da idéia de um campeonato nordestino, acho que contribui ainda mais para a segregação. Prefiro um projeto político para que o capeonato brasileiro seja, de fato, uma competição nacional. Isso rende tantos outros textos...

Dani the Girl :)

Dodô disse...

Fogão no apito

Difícil dizer que primeiro tempo foi pior, se o da Arena da Baixada ou do Engenhão.
Furacão e Peixe, 0 a 0, e Fogão e Timbu, 0 a 0.
No Rio, com 6.127 pagantes, ao menos, houve chances de gol para os dois lados.
O Náutico até fez um gol, com Tuta, mas a arbitragem marcou impedimento, inexistente.
Como, antes, não expulsou o goleiro do Botafogo, Jefferson, que derrubou Carlinhos Bala em óbvio lance de gol iminente.
O segundo tempo seguiu igual, com chances divididas, mas sem gols.
Em Curitiba, com 17.930 pagantes, ao contrário, logo aos 4, Kléber Pereira, de pênalti no excelente Paulo Henrique, fez 1 a 0.
E aos 8, em gol irregular, com falta no goleiro Felipe, o rubro-negro empatou com Bruno Costa.
Em seguida, pênalti para o Furacão que não foi marcado porque, antes, o bandeirinha inventou um impedimento.
Aos 13, Robson, do Santos, deu uma solada e foi bem expulso.
Mesmo com 10, os paulistas resistiram e voltaram para casa com um irrelevante 1 a 1, sob vaias.
No Rio, aos 26 minutos, o árbitro inventou um pênalti que Juninho converteu para o Botafogo: 1 a 0.
O Náutico era claramente garfado no Engenhão.
E o Botafogo, tão prejudicado em outros jogos foi, desta vez, ajudado e saiu da ZR.

Por Juca Kfouri às 21h23

Adautino de Oliveira disse...

Passado dois dias e ainda sinto-me com gosto de cabo de guarda chuva na boca. Pior de tudo é a sensação de incompetência, inoperância para resolver o problema. Mesmo sentimento que se tem quando somos abordados na rua por assaltantes e os mesmo levam nossos bens, quando não se arretam e disparam sua malditas armas contra nós fazendo nossas crianças ficarem órfãs. Como gostaria que houvesse alguém, algum Presidente de Federação de Futebol com peito, com dignidade (saudade de Rubens Moreira) para não dizer, como falou um dia, com licença da palavra, o ex-presidente Fernando Collor, com os c.....s roxos, para dar um murro na mesa e bater de frente com o Sr. Ricardo Teixeira, com a platinada (emissora de TV que manda no Brasil) e mostrar que no NE tem Clubes, tem Times, tem imprensa(que como diz meu amigo Aderval Barros) que não deve nada a nenhuma outra imprensa no Brasil e acima de tudo tem TORCIDA.
Nós temos sim clubes que levam sua TORCIDA a encher um estádio com mais de 45.000 espectadores para um jogo de 4ª divisão, clubes como o Remo, o Paissandu que colocam em qualquer competição que participam mais de 30.000 pessoas nos estádios, clubes como o Ceara (talvez o maior rival entre clubes do NE do NÁUTICO) , o Fortaleza que também levam suas apaixonadas torcidas a vibrarem, a chorarem, se emocionarem e nunca desistirem de apoiá-los. Não podemos esquecer do Esporte Clube Bahia (bi campeão brasileiro) que contra qualquer adversário em qualquer divisão que participe colocam sua massa de fanáticos torcedores para juntos com o time tentar voltar a ser grande. Parabéns também ao Esporte Clube Vitória que com a política de valorização da “prata” de casa sempre faz belos time para a alegria de sua imensa torcida. Volto a minha infância (agora para quem me conhece) já com vontade de chorar, porque como falou Euclides da Cunha o nordestino é acima de tudo um forte, mas também chora, e lembro do ABC, do América de Natal, do CRB, CSA, do Treze, Campinense, do Botafogo da Paraíba, do Moto clube, do Flamengo do Piauí clubes de antigas tradições, muito desses, que vivem hoje no anonimato sem vez e sem voz e sem dinheiro, mas com sua FIEL TORCIDA.
Já que a CBF, a Platinada (Globo) e outros órgãos da mídia querem nos calar, vamos voltar a fazer nossas competições regionais sem a necessidade de ficarmos de “bunda” para cima e pires na mão minguando respeito.
Nós somos grandes e como diz o “poeta” Ivanildo Vilanova: Imagine o Brasil ser dividido e o NE ficar independente.

Adautino Costa
adautino.costa@yahoo.com.br

IKARO disse...

A idéia é mt boa, e eu irei mais além. Já que se está discutindo os excluídos do futebol e foram mencionados alguns grandes times do norte como o Remo e o Payssandu, pq não se fazer um campeonato do norte-nordeste? ou um capeonato brasileiro do eixo norte? o critério de classificação poderia ser os compeonatos estaduais, os quais funcionariam como distritais de classificação para o compeonato brasileiro do eixo norte. Há muito tempo tinha pensado igual ao dodô, fazer algum tipo de campeonato em que nós, dessa região, não fóssemos meros coadjuvantes. Achava que só tinha eu pensando desta forma, graças a Deus não. E isso é bom, na medida que tal assunto poderá ganhar tamanha proporção que os cartolas da região norte e nordeste pense em algo do tipo para livrar-nos da escória do futebol mundial, pois o que estamos vendo, principalmente esse ano, é uma caçada implacável aos times daqui, basta só olhar a posição na tabela para ver que tenho razão no que digo.

jfilho1966 disse...

Olha pessoal eu sou um Pernambucano de coração e defendo minhas convicções com fervor sinceramente acho que este momento e fundamental para iniciar esta mudança, precisamos mostrar o quanto estamos indignados e o quanto somos fortes com certeza nossa união por mudanças será ouvida e seguida por aqueles que sentem o mesmo que nôs não precisamos estar na ELITE do FUTEBOL por esmolas, concordo 100% como nosso amigo Dodo.

Lembram da revolucão francesa?
mudou a História portanto!
VIVA LA REVOLUCION !

Anônimo disse...

Porra nenhuma, vocês são um bando de romanticos, apesar do texo tão convicente e bem escrito. Cuidado!!! Dodoiévski sabe fazer isso muito bem.

Alberto Rio

Luciana Amâncio disse...

Dodô, meu rei... o senhor é meu pastor...! Concordo!!!!

E o Leãozinho acaba de cair... Série B ano que vem, neném... vida difícil esta!!! Muito difícil...!

Luciana Amâncio disse...

Dodô, meu rei... o senhor é meu pastor...! Concordo!!!!

E o Leãozinho acaba de cair... Série B ano que vem, neném... vida difícil esta!!! Muito difícil...!

italo silva disse...

Sou torcedor do paysandu
vcs do nordeste estão sentindo a mesma raiva que nós paraense sentiamos quando nosso papão
jogava a serie A então
enquanto existir a cbf seremos eternos coadjunvantes do futebol brasileiro