terça-feira, 28 de outubro de 2008

Prelúdio

Olá queridos visitantes, resolvi criar um blog, pelos mesmos motivos que os outros blogs são criados, para divulgar o que acho interessante na internet, o que eu escrevo, o que penso e outros sentimentos, ou ausência desses, para quem interesar possa. De antemão advirto o visitante que nesse espaço existe um dono, que sou eu, até que o dono da empresa me delete ou coisa parecida. Receberei opiniões de vocês, lembrando que o acesso do blog é "céu sem fronteiras" e como o nome já diz, tudo se alimenta pelo sonho e pela beleza, não me venham falar de leis, política e democracia, todo esse papo alomofadinha de estudante de Direito, me anoja. Aqui estarão opiniões descontraídas, sem seguir uma sequência lógica, num post posso falar de Fernando Pessoa e na sequência, de um jogo de futebol. É meu olhar, sobre o mundo. Existe milhões de endereços eletrônicos por aí dispostos a seres corretos, esse pede licença, ainda sim, para planar acima das convenções num céu sem fronteiras.
Dodô.

4 comentários:

André Raboni disse...

Bem ou Mal, seja-Vindo à blogosfera, meu chapa!

Ocio disse...

AEeee Dodo, Muito bem. ja tem uma propenssa frequentadora assidua. :)

bjs!

Laura disse...

uuuhhhhuuuuuu!!!!

Extravasa Dodô!

=P

HUGO disse...

pisa no acelerador da tua sensibilidade, velho morcego das cavernas que durante o dia tampouco dorme, sempre atento ao eterno caminhar do nosso mundo e dos nossos submundos. Olhos no sangue e um ouvido telepatico absorves em pequenas vibracoes o cerne vital de nossa tragedia e dos nossos gozos. Tambem sei que individuos assim sofrem mais a dor de existir percebendo a essencia de tantos movimentos assim. assim que seja bem vindo ao clube dos cheiradores de opio!!!fernado pessoa foi um deles , e escreveu:

""Sou um guardador de rebanhos.
O rebanho é os meus pensamentos
E os meus pensamentos são todos sensações.
Penso com os olhos e com os ouvidos
E com as mãos e os pés
E com o nariz e a boca.

Pensar numa flor é vê-la e cheirá-la
E comer um fruto é saber-lhe o sentido.

Por isso quando num dia de calor
Me sinto triste de gozá-lo tanto,
E me deito ao comprido na erva,
E fecho os olhos quentes,
Sinto todo o meu corpo deitado na realidade,
Sei da verdade e sou feliz.""